quarta-feira, 8 de março de 2017

Narratives of the war in Syria (part one)



Amazing exchange between what appears to be a member of Hezbollah, fighting on Bashar Al Assad’s side, and the member of an armed group opposed to the Syrian government (*).

video

As far as the Syrian conflict is concerned, this video is quite an incredible moment.

Although I am not necessarily sitting on the fence (I do have a general opinion), I refuse to take sides. First, it would be too easy to do it while living comfortably in Canada. Second, the amplitude and the complexity of this conflict are just too great. Third, I do not speak nor understand any Arabic; it is therefore extremely difficult to decode an historical event in the making that will have an impact for many years to come, in the region and worldwide.

In spite of that, one may still try to make sense of this tragedy out of the big amount of information coming from both sides, be it from mainstream media and press agencies (public & private), independent journalists, civil society, citizens on the site or scholars.

This video showing two parties directly involved in the war actually talking to each other during some kind of truce is really unique. Its narrative differs from the two generally diffused in Europe and North America.

First narrative

The opposition forces consist of foreign paid mercenaries/terrorists hired to topple Bashar Al Assad. He is the legitimate leader of the Syrian people and is fighting back large scale terrorism funded by NATO and Gulf countries, as well as Israel.

The terrorists are radical islamists puppets and ruthless murderers. The Syrian Arab army (SAA) and its allies (Iran and Hezbollah, Russia) fight mostly by the book.

Second narrative

The opposition consists of rebel/freedom fighters that are involved in a true revolution. With the support of the West, they are attempting to overthrow, at any cost, a violent totalitarian regime backed by villains such as Russia and Iran (as well as Hezbollah).

A substantial part of the opposition is made of “moderate” groups, but some “extremists” are also involved. This factor makes it difficult for Western countries to allocate military aid. Another problem is due to Obama’s restraint in the region (as well as other allies). 

This impairs the rebel’s capacity to accomplish their ultimate goal. Added to that, ISIL has worsened the situation by inviting itself into the conflict!

The Kurds are part of this narrative, but are covered as a distinct phenomenon. They appear as a Muslim group carrying some true “Western values” (especially concerning women).

Which narrative should we rely on?

In my opinion, they are both quite toxic because of the propaganda they involve (in amounts so alarming that we seem to be back in time – WWII, Cold war...). Based on some definitions of the term (**), propaganda requires the gathering of material (ideas, facts, allegations, information, opinions, images...) that will be used in order to accomplish a goal that goes way beyond simply reporting or informing (further, promote, publicize one's cause or point of view, especially political; damage an opposing cause; influence people's opinions). The material is spread (deliberately) through means of communication (published, broadcasted). It does not necessarily have to be false, but it always strongly supports one’s side of a story (it is very likely to be biased or to have a misleading nature, often only giving one part of an argument).

In the second and third parts of this piece, I will back up with examples what I’ve just written about these narratives. In the fourth part, I will argue in favor of a third narrative that is out there, but less acknowledged. The video shown above could be part of it, but for now, let’s look at the context it provides:

  • Set somewhere in Syria, but not in Aleppo
Even though this major city has been a key battle of the conflict, the amount of attention it has got may contribute to forget that the war is still occurring in many other places within Syria.
  • Absence of civilians
On top of the hundreds of thousands who died or got injured, the emptiness of the scene also reminds us of the millions that were displaced by the war; bearing in mind that many stayed in war zones. 
  • Destruction
This is one of the most preoccupying aspects of the recent wars in the region (Lebanon, Gaza, Iraq, Libya, Yemen and especially Syria – also Somalia and South Sudan?). Added to the dead, the injured and the displaced, the destruction of urban areas has happened in a scale unseen since WWII. 

There is no doubt in my mind genocide has been taking place in these regions for quite a while now (not just in the Darfur). The way it is engineered is new and extremely complex (and therefore difficult to prove as a whole). But I am absolutely convinced everything points to the worst phenomenon human beings are capable of and to a context even more favorable for the continuing and worsening of this tragedy.
  • Many, many belligerents
Because of the number and characteristics of the parties involved, this conflict is probably one of the most complicated ever recorded in modern history. In this case, although it shows two “non-state” actors facing each other, their connections to different states forces us to use this term with caution. (This section will be covered in the fourth part)


(*) My interpretation is based on an English translation that I cannot verify (will do at some point). The location is unknown (although some places are mentioned in a longer version of the video) so that it is not possible to identify the armed group that is addressed by Hezbollah. The video was deleted from the account connected to one of the logos appearing on it. The original publisher seems to have been CyberAman.com. Personally, I copied the video from a YouTube account going by the name of Syria HD. The title mentions ISIS, but I doubt it is accurate. Although I cannot verify it, let’s say that using the term ISIS may bring more viewers.

(**) Some online definitions of the term (that comes from Latin and originally described an act of dissemination of religion)
  • Merriam Webster (3) Ideas, facts, or allegations spread deliberately to further one's cause or to damage an opposing cause; also:  a public action having such an effect 
  • Google & Oxford (1) Information, especially of a biased or misleading nature, used to promote or publicize a particular political cause or point of view. 
  • Cambridge (1) Information, ideas, opinions, or images, often only giving one part of an argument, that are broadcast, published, or in some other way spread with the intention of influencing people's opinions.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Jorge Aragão e sua tropa de elite

O tipo de vibração e de letras que fazem muito sentido nos tempos de hoje. 

A coisa tá feia, mas focando nas coisas importantes... a FÉ nunca acaba.

Imagine o percurso de cada uma dessas pessoas até este momento. Olhe bem para a atitude delas. Poder e humildade...

Momento forte este encontro...

video



Reflexão (Jorge Aragão)


Tem o amor várias maneiras que ultrapassam as fronteiras de qualquer reflexão
Bem, pode ser uma fogueira que se apaga na primeira breve chuva de verão
Eu vi por amor sincero alguém jurar, a estrela Dalva ir buscar e ao seu bem oferecer
Também, quem um dia viu a dor pousar e num sonho azul de amor secar toda fonte do prazer

Sei, eu sei, que o amor é um mistério, o mais rico dos minérios que enriquece o coração
Mas, quando não levado a sério, leva o trono do império pro domínio da ilusão
E faz o mais duro coração chorar, no escuro uma luz brilhar como por encanto e assim
Quem souber contar o segredo do amor terá o sublime dom de revelar o Principio e o fim

quarta-feira, 18 de março de 2015

Geografia do poder

Fiquei impressionado com a cobertura pela mídia internacional (AlJazeera, BBC, CBC, RDI...) do ataque terrorista de hoje no museu do Bardo na Tunísia

Fraquíssima.

Me deu a impressão que os chefes de redações não estavam interessados. O atentado nunca chegou a ser a trama principal do dia (pelo contrário); e se não tivesse as imagens fortes de gente correndo...


No entanto, a Tunísia fica do outro lado do mar Mediterrâneo, bem perto da França. Na grande mídia ocidental, o país é presentado como a esperança democrática do Mundo Árabe por causa de sua capacidade política a levar sua revolução pra frente.

Porém, não é suficiente para receber o tratamento que a França ou a Bélgica recebe.


Afinal, o que são milhares de anos de civilização (nos quais se apoia também o Ocidente) se eles não estão expostos no museu do Louvre? 


Nem um massacre no museu do Bardo conseguiu mudar um pouco a trama da mídia internacional. Ela não opera em função do tipo de evento, mas sim em função do PODER atribuído ao lugar no qual o evento acontece.

Os exemplos não faltam!



O drama que vira cobrança

Além disso, um "terrorista islamista" atacando visitantes (entre eles muitos muçulmanos) num grande museu de um país muçulmano, atrapalha um pouco o roteiro da mídia ocidental, não é? 

Entretanto, é possível contornar este contratempo adaptando a trama propagando um sentimento de dúvida sobre a capacidade da Tunísia em se tornar uma "verdadeira" democracia. 

Para a mídia, enquanto um ataque deste tipo une a França, o mesmo faz surgir grandes dúvidas sobre a Tunísia. Na realidade, arrisco dizer com muita tranquilidade que podia ser exatamente o contrário que acontece na realidade. A união francesa não inclui todo mundo, pois uma grande parte da população se torna automaticamente suspeita.

Hoje, o papel da mídia ficou tão claro que quase dava para ouvir o produtor dando instruções no fone de ouvido do/da jornalista.


Geografia do poder

Nada a ver com o conceito desenvolvido pelo geógrafo Raffestin na sua obra do mesmo nome. 

Neste caso, se trata simplesmente do valor simbólico de certos lugares em relação ao poder da mídia internacional dentro de sua apresentação de um roteiro bem montado

Ocupando um espaço considerável, ela decide o que mostrar e como mostrar, produzindo a versão "certa" que chega com muita força.

sábado, 10 de janeiro de 2015

#NãoSouCharlie

Faz dois dias que quero reagir de uma forma ou outra para gozar deste valor fundamental e precioso que é liberdade de expressão e escrever: "Não sou Charlie".

Seria simplesmente satírico no extremo, do jeito que o Ocidente gosta, não é? Além disso, tenho também meus problemas com a França...

Todavia, gritar essas três palavras é bem complicado.

Morreu muita gente, de um jeito ridículo e horroroso. Não conheço a obra dos tais de Charlies, mas é óbvio que os dois doentes mentais que atiraram neles apagaram ao mesmo tempo muito talento. Além disso, destruíram várias famílias, o que é ainda mais grave. Nem se fala da pressão sobre o cidadãos franceses com nomes e sobrenomes árabes. Eles realmente não precisavam disso. Conheço o assunto, testemunhei o drama do racismo durante muitos anos.

E o desrespeito ao profeta? Mereciam levar uns tiros para isso?

Sou totalmente contra algumas charges de Charlie Hebdo, mas era o trampo deles, eram ateus (citando Cabu e Wolinsky) e atacavam... (ouvi dizer) todo mundo, gozando do famoso direito de livre expressão de um pais do "primeiro mundo". Porém, em alguns casos, a liberdade de expressão tem seus limites, como no caso do tratamento dado a um elemento extremamente sensível da religião muçulmana no contexto francês.

Os muçulmanos (me desculpem a generalização, sei muito bem da diversidade e também do uso abusivo deste termo) têm sido estigmatizados de um jeito vergonhoso, especialmente desde a queda do "inimigo" soviético, e de uma maneira exponencial a partir dos 11 de setembro.

Nada justifica esses crimes, mas Charlie Hebdo não deixou de participar indiretamente de um mecanismo cruel e extremamente perigoso. Acabou pagando um preço altíssimo.

A França pode ser considerada um dos principais criadores deste mecanismo e o caso da guerra da Argélia foi o resultado trágico do mesmo. Não foi resolvido até hoje (apesar de uns PEQUENOS sinais de progresso).

As raízes do racismo do estado francês vêm de seu passado colonial. Produziu atrocidades como o Code Noir, além de muitas campanhas militares e muitos outros meios de dominação. O apartheid em vigor durante muitos anos na Argélia (considerada território francês pleno até 1962) teve várias formas jurídicas e sociais. 

Vale enfatizar também que para conseguir um Império tão estendido, foi preciso formar uma elite militar, administrativa, política e religiosa capaz de imaginar, planejar e executar o projeto colonial. Sera que este tipo de gente poderosa parou de existir quando o Império caiu? Sera que foi essa gente que pensou e está pensando a República até hoje?

No papel (Constituição), a República considera todo mundo igual. Mas na prática... 

Parece que o estado não aceita, depois de tantos anos de colonialismo e pós-colonialismo, que um Francês possa ser de todas as cores e religiões. Esses cidadãos devem comprovar que são franceses mostrando o comportamento "adequado". Os cidadãos de descendência europeia podem ser Franceses até se não gostam da República, mas os outros correm o risco do castigo da negação se faltar provas de amor. Ou seja, para alguns, nascer na França não garante automaticamente ser Francês. Isto é a fonte do problema. Se só tivesse segregação espacial e socioeconômica, tudo iria acabar melhorando. Teria problemas, sempre tem, mas a coisa toda iria ter pelo menos a possibilidade de evoluir do jeito certo. Só seria uma questão de tempo, de vontade política e de luta. Racismo é o maior obstáculo para que essa possibilidade possa existir. Torna a luta gigantesca.

Infelizmente, o estado francês não entende duas coisas (ou finge que entende, mas não age de acordo):
  • Diversidade é uma vantagem, não um problema
  • Gostando ou não de diversidade. ela É a França

É este ponto que Charlie Hebdo tinha que respeitar e entender melhor. 

O racismo do estado francês, principalmente contra os "Árabes", é um drama para MUITAS famílias. As armas ocidentais e suas tropas de elite (inclusivo francesas) são um outro drama ainda maior, por que mataram e estão matando MILHARES de civis em muitos países, entre eles muitos muçulmanos (muitas vezes para ajudar eles!!!).

Quem são os principais alvos do momento em termo de ação internacional conjunta (estado, mídia e militares)?

Uma das ferramentas para justificar essas ações tem sido estigmatizar uma religião para atingir os países alvos. Internamente, é uma forma de racismo escondido atrás de um laicismo alterado (no caso da França e de um certo partido no Quebec) que tem também suas motivações eleitorais. As provocações de Charlie Hebdo participavam desse processo, intencionalmente ou não. 

Ironicamente (e diabolicamente), quem atirou neles foi exatamente o extremismo paramilitar financiado pelas grandes potências e/ou seus “aliados”, alimentando assim o OUTRO mecanismo violento (terror) que permite o funcionamento do que é hoje chamado ISLAMOFOBIA (que se alimenta do medo gerado pelo terror).

Quem matou os Charlies não foi o religioso (nem o "moderado", nem o "fanático" - oh classificações sutis!!!).

Quem matou os Charlies foram as bombas, o racismo e a precariedade: fatores que produzem pessoas ideais para se tornarem extremistas depois de encontrar um mentor com carisma, permitindo a continuidade do mecanismo cujo gasolina é a existência do terror.

Não sou Charlie porque este processo de Islamofobia é revoltante. Mas não deixo de ter respeito para as vítimas porque que arriscaram a vida em nome de seus ideais. Tem que respeitar também os policiais que morreram. A cara deles foi bem menos divulgada. 

Entretanto, meus últimos pensamentos vão para os reféns que não tinham nada a ver com isso, estando no lugar errado na hora errada, cruzando o caminho de psicopatas, exatamente como os civis que passam na nossas TVs ocidentais por que foram bombardeados.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Por que votei na Dilma...

Concordo que transição no poder é importante; depois de 12 anos de PT no federal, teria sido interessante. Porém, por falta de opções, mas também por convicção, meu voto foi para a candidata Dilma. 


Consenso

Não sou nem de esquerda, nem de direita. Quero ouvir cada lado se não for muito extremo, como as bancadas da bola e da bala [1]. Entre as pessoas com quem converso, alguns eleitores do PT chegaram a reconhecer que o partido não é perfeito, e que não seria uma catástrofe voltar um pouco para a oposição (mas votaram para o PT, é óbvio). Ponto para eles, mesmo se são muitos os eleitores petistas que juram que tudo está indo muito bem, que o país está nos trilhos da prosperidade. 

Por outro lado, posso entender um indivíduo que quer essa transição. Não gosta do PT, reclama das coisas erradas (ainda tem muitas), votou contra. Legítimo. Todavia, quando escuto eleitores de Aécio, dá impressão que acreditam que tudo o que tem de ruim hoje no Brasil começou com a chegada do PT no poder, e que desde então, nada melhorou e até piorou. Isso me incomoda um pouco, mas mesmo assim, tive (tenho e terei) umas conversas produtivas com alguns eleitores do PSDB (que não são necessariamente tucanos). Ponto para eles, mesmo se são muitos os eleitores tucanos que não querem conversar.

Sera que o eleitor tucano consegue ser auto crítico? Eu duvido, mas reconheço que é difícil julgar, pois não estão no poder (federal) há 12 anos. Como oposição, uma catástrofe. Brasil tem um problema sério neste aspecto. Não tem oposição (se excluir a mídia) e tem o fator PMDB.


Afinal, o que me levou a votar na Dilma?

Recentemente, Fernando Henrique Cardoso destruiu minha tentativa de ouvir o lado tucano depois de sua participação num programa de rádio [2] gravado enquanto o PSDB estava negociando o apoio formal de Marina Silva. Neste momento, ele estava bem presente na campanha de Aécio, e ao meu ver, era importante escutar o que tinha para dizer. 

O sociólogo, renomado mundialmente, culpou uma parte da população brasileira (pobre, do interior, especialmente do norte e do nordeste?) por ser o eleitor determinante no sucesso eleitoral do PT. Isso seria uma novidade, pois segundo ele, a base eleitoral do partido estava tradicionalmente na classe média. Apesar dele tentar falar num tom respeitoso, o conteúdo aponta para o contrário:


1) Insinuou que o nível intelectual do eleitor do PT abaixou porque o eleitorado cresceu muito entre as classes mais baixas 

Talvez tendo consciência que alguém (como eu) poderia chegar a esta conclusão, não deixa de justificar-se. Para FHC, a culpa não é do nível intelectual do eleitor pobre, é da informação que chega até ele, ou melhor, que não chega. Quer dizer que esta massa de pobres dos "grotões" more realmente numas cavernas? Que votam no PT porque não têm informação mesmo ou só Porque têm atração pela cor vermelha ou pelo número 13? Se fossem informados, tomariam decisões melhores, não é isso? 

Qualquer um pode concordar que televisão e rádio são veículos de informações importantes, e o Censo 2010 mostra justamente que estes items chegaram na maioria dos "grotões" do Brasil, o que o ex presidente deve saber muito bem. O cientista (social), que não pode ser muito direto porque iria passar de preconceituoso, não deixou de questionar a inteligência e a consciência política de uma parte da população brasileira que recebe informação sim. Alem do que, o processo de circulação de informação envolve muito mais. 

Um amigo acabou de me contar uma história que exemplifica bem isso. Um dia, a empregada domestica da mãe dele (numa capital do nordeste) voltou todo emocionada da cidadezinha dela (interior do estado). Com 40 anos, ela tinha sido atendida pela primeira vez por um médico. Nada de grave, exame básico, verificação da pressão... Impacto enorme. Teve contato com informações importantíssimas e complexas que um médico traduziu neste ato simples. Se juntaram a outras pequenas melhoras (entre elas, a renda). Tem conta facebook, escreve na sua página que vota na Dilma. 

Ninguém tem o direito de julgá-la. Ela tem muitas informações além de ter consciência política. O valor desses dois elementos não pode ser definido na base da posição social ou geográfica dela. Isto é PRECONCEITO. 


2) Segundo FHC, teria no Brasil dois tipos de pobres: os pobres "iluminados" - bem informados - e os pobres dos "grotões" - mal informados. 

Obviamente, os iluminados votam no PSDB. Entretanto, quando se trate das classes mais altas, FHC não se arrisca em dividi-las em dois grupos (os bem informados versus os mal informados), o que desvenda um terceiro preconceito: 

Pode-se julgar o comportamento do pobre (prática comum no Brasil) com generalizações graves para alguém do nível acadêmico e político dele, mas se limite a esta classe. Pelo menos, poderia analisar um pouco melhor. Mas pra isso, precisaria viajar pelo Brasil, realizar trabalhos de campo...

O preconceito contra os nordestinos que circulou nas redes sociais depois do resultado foi triste para o país, e FHC, sociólogo renomado, contribuiu na sua propagação antes do segundo turno. 

Imaginar o PSDB no poder é preocupante, porque de uma certa forma, legitimaria este grande problema do preconceito, afastando as soluções que estão por vir. 


Essa intervenção foi gravíssima, por que ele deveria mostrar o exemplo. O pior e que o mesmo preconceito já estava sendo propagado em 2006 (comprovado pela capa da Veja n. 1969 abaixo). Oito anos depois, FHC vem falar de "grotões" em vez de reconhecer uma vez por todas que não quis entrar em contato com essa parte da população. 

Só quer o voto a cada quatro anos fazendo nada e sendo preconceituoso? Péssima estratégia! 

O PSDB deveria ir até os lugares que incomodam os tucanos para desenvolver o partido em vez de pagar artistas americanos. Dinheiro bem gasto é mandar a juventude tucana para lá. Parece piada, mas não é.

       

No entanto, podemos refletir um pouco sobre as classes mais altas. 

A obervação de um gráfico simples do Datafolha (que obviamente, tem suas limitações) publicado no site de notícia da Globo [3] mostra que, contrário ao que FHC afirma, teve mais classes envolvidas no eleitorado do PT.


O grupo que ganha entre 2 e 5 salários está totalmente empatado. Estranho, porque segundo FHC, este grupo tinha deixado de votar para o PT. Mereceria uns comentários do sociólogo sobre comportamento eleitoral e informação, pois este grupo de eleitores deve estar entre os mais bem informados. Sera que são mesmo? 

Em relação à mídia, é bom lembrar que o PT não beneficia de favores, pelo contrário. É o que mostra o Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP), sediado no Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Vale conferir [4], já que FHC aponta para a importância da informação na formação de opinião.


O caso da denúncia [5] da Veja nas vésperas do segundo turno oferece uma versão extrema de parcialidade: 

É impressionante como a revista do grupo Abril explica na própria reportagem que ainda não existe provas sobre o que o doleiro Youssef disse no seu depoimento. Ou seja, apuraram sim, mas apesar de não ter elementos básicos para apoiar as acusações de uma matéria deste tipo, optaram mesmo assim para uma grande produção com capa de film de horror. Assim, o jornalismo de uma revista influente que está supostamente lutando para a um pais mais ético tentou aplicar um golpe no PT na justificativa de que um doleiro (pessoa confiáááável!!!) está num processo de delação premiada, e logicamente, só fala coisas que poderão ser comprovadas. Tentativa de golpe na base da lógica Veja. O pior disso tudo e que a rede Globo usou a matéria da revista no Journal Nacional. Nenhum meio de comunicação minimalmente profissional teria usado tal material. Tiro no pé garantido. Entretanto, em 2014 e apesar de seu alto nível técnico, a rede Globo cumpriu seu papel de maior símbolo da PIG e tentou decidir mais uma eleição. Desta vez, o ocorrido se repercutiu nas redes sociais antes e depois (#GolpeNoJN chegou a ser numero 1 no Top Trend WORLWIDE). Falhou. O poder da mídia tradicional tem limites.

Voltando para os gráficos. As curvas de quem ganha entre 5 e 10 salários é relativamente estável, corroborando a base tucana na elite. Todavia, é difícil explicar o que acontece acima de 10 salário. É uma pena que FHC só comenta sobre os "grotões" quando poderia comentar sobre um segmento da sociedade que ele conhece bem melhor, outros tipos de "grotões", porém bem pequena em termos absolutos. 

Efetivamente, olhando para o gráfico que ganha até dois salários mínimos, é evidente que o PT tem uma base fortíssima na base (confere os números do Censo 2010 na tabela abaixo). Porém, não são os pobres dos "grotões" aos quais FHC parece se referir, mas a famosa nova classe média (termo omnipresente na Secretária de assuntos estratégicos), que tem renda familiar per capita [6] entre R$ 291 e R$ 1019.


Este quadro [7] mostra que em 2010, ainda tinha muito para ser feito (e ainda tem). Onde está o Brasil agora? Se tivesse piorado, sera que Dilma teria sido reeleita? Quais serão os resultados do próximo censo? 

Tem que reconhecer os resultados na luta contra a pobreza e tudo mais, mas sera que a nove classe média ficou mais perto de ser uma classe média verdadeira (cujo significado merece ser debatido)? 

O eleitor do PT tem que cobrar constantemente para que o esforço de relações públicas de seu partido não seja mais forte do que o esforço político preciso para melhorar as condições da nova classe média junto as outras camadas sociais que estão abaixo e acima. Entretanto, o esforço pertencia a todos, o maior símbolo disso sendo a educação de base, que não é uma competência federal, mas que o mesmo tem de avaliar, cobrar e quem sabe federalizar [8]. O verdadeiro espaço para mudanças está nos níveis estaduais e municipais, mas tem que andar junto com o projeto nacional de educação que o poder federal deve construir. 


Afinal, o que me levou a não votar no Aécio?

Se queimou com o discurso clássico de político da velha guarda. Prometeu a lua e foi lembrado do estado no qual se encontra Minas Gerais depois de vários governos PSDB. Tem também as alegações sérias, entre as quais o controle da imprensa [9] e o uso duvidoso de seus próprios meios de comunicação [10]. Neste sentido, o episódio dos relatórios [11] do TCE-MG que desapareceram depois do site sair do ar ao serem mencionados pela candidata Dilma não o ajudaram. Foi no mínimo duvidoso. 

Pra mim, o pior de tudo foram as explicações sobre o uso da "super voluntária", irmã Andréa Neves, num cargo altamente estratégico. Ele não vê nada de errado. Como foi que num país do tamanho do Brasil ele não achou nenhum profissional para ocupar este cargo. Iria comandar o executivo de um país continental usando voluntários... de sua família? É isso? Essa, não aguentei.



E a economia?

Sei muito bem que a macroeconomia é um dos principais papéis do governo federal, mas confesso que entendo pouco de economia. Agora, a declaração de apoio formal do economista Bresser-Pereira foi uma verdadeira bomba para firmar minha posição. Recomendo a leitura de seu artigo (crítico) [12] que explica sua decisão.

Vou ser chamado de ingênuo e de romântico, mas pra mim, tem muito mais honestidade, integridade e compromisso com o país na candidata Dilma do que no candidato Aécio. A primeira representa muito mais o povo brasileiro (no sentido de povo mesmo) do que o segundo. Mas só é uma opinião, que tem que ser respeitada, como as outras.

Para concluir, preciso confessar que menti. Não posso votar em nenhum de meus dois países adotivos, Brasil e Canadá. Entretanto, quero declarar: 

"Sou Bretão, nascido no litoral mediterrâneo, detentor de um passaporte europeu, e se pudesse votar, teria votado na Dilma."
    
[1] Bob Fernandes / O eleito ou A eleita terá que negociar com bancadas “da bala” e “da bola”
[2] UOL / PT cresceu nos grotões porque tem voto dos menos informados, diz FHC
[3] G1
[5] Veja
[6] Uma família de cinco pessoas, com a mãe ganhando R$400 por mês e o pai R$600 tem uma renda per capita de R$200.
[7] Fiz este quadro direto no site do IBGE
[8] Federalizar a educação básica é a solução (Cristovam Buarque)
[9] Liberdade, essa palavra.
[10] Folha de SP
[11] Terra notícias
[12] Meu voto em Dilma 

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Eleições 2014... saudades da Copa

Hoje, já faz três meses. O primeiro turno das eleições de 2014 acabou de passar, a polarização PT-PSDB está num nível preocupante, e fiquei com saudades da copa, apesar do fracasso no “G4”.

NÃO PODIA TER SIDO MELHOR

O que foi provavelmente a maior humilhação da história das “grandes” seleções do planeta futebol não deixou de ser algo altamente positivo.

A Copa estava indo tão bem... a Copa das Copas! Porém, vamos concordar que uma boa parte dos “torcedores” brasileiros presentes nos jogos da seleção (graças a seu poder aquisitivo) viviam um forte dilema:

Como torcer ao mesmo tempo para a conquista do hexa e contra um evento considerados por muitos tão “vergonhoso” num país como Brasil onde tem tantas coisas mais “importantes” para serem resolvidas? Ou seja, os torcedores tinham que pagar um ingresso caro para, na melhor das hipóteses, ver vitórias da seleção, mas ao mesmo tempo tinham também que vaiar o governo federal porque era o grande instigador desta “copa maldita” (apesar de ter outros atores envolvidos, ficou bem mais simples focar neste executante), principalmente porque poderia se beneficiar com a vitória da seleção! Brasil não é para iniciantes!

Talvez a solução teria sido boicotar os estádios, mas correndo o risco de passar por um otário, pois outros do mesmo grupo com certeza acabariam indo ao estádio no seu lugar (na base da mesma regra e até porque o cambista está nem ai com a copa ou o governo; tem ingresso para vender).

A ALEMANHA ACABOU COM O DILEMA, MAS ACABOU MESMO!

Com a seleção ganhando, esses “torcedores de copa” já tinham mostrado pouca disposição para apoiar o time (fato comentado por vários jornalistas); imagine o silêncio depois do quinto gol. Nem deu para tirar onda do governo federal que não iria se dar bem com o prometido hexa (erro magistral do treinador, entre os muitos, que afirmava já estar com uma mão na taça).

A festa seria dos Alemães (e não dos Argentinos, o que teria sido o supremo castigo, Deus é Brasileiro mesmo!) que só tiveram elogios para a organização da copa e para os brasileiros, antes e depois de vencer de maneira indiscutível seu quarto título mundial. Porém, o Brasil não perdeu. Foi confirmado a sua capacidade de organizar, com os defeitos (muito comentados) e as muitas qualidades (bem menos divulgadas) “O” mega evento. 64 anos anos depois da Copa de 50, e 50 anos depois do golpe contra o governo de João Goulart, mas menos de dois anos do título do grande Corinthians.

Voltando para o 7x1

Este fato “histórico” se inseriu diretamente no debate nacional impulsionado desde 2013 em parte por causa da organização do mega evento no Brasil. 

O 0x3 contra Holanda confirmou que a comissão técnica não tinha planos mesmo. Essas duas derrotas simbolizaram os problemas profundos da estrutura do futebol brasileiro em cima da qual reina a muito questionável CBF e a Rede Globo. Porém, como muitos já mencionaram (entre eles Cristovão Buarque), o debate tem que continuar para entender por que perder no futebol sempre foi menos aceitável do que perder em educação, desigualdade e dados sobre violência. Todavia, a Medalha Fields ganhada pelo Brasileiro Artur Avila trouxe mais um pouco de gasolina para os otimistas (eu incluído), mas lembra também que os países ricos se aproveitam do talento dos países emergentes porque lhes dão boas condições para desenvolver seu trabalho.

E não é que a derrota no futebol passou muito rápido (como praticamente qualquer notícia importante no Brasil). Apesar de tantas coisas graves acontecendo, a opinião pública aceita, já está acostumada (O síndrome de Cidade alerta!). Como parar de aceitar, ou no mínimo processar um pouco dessas informações. Iria ser muito mais radical do que ir às ruas... Informação é um problema sério no Brasil. 

Felizmente, Brasil não é mais o país do futebol. Neste momento, é o pais da polarização. 

Esta “final” para alcançar o cargo mais importante do executivo brasileiro vai ter repercussões muito fortes, seja qual for o vencedor.